Mais de 100 motociclistas morreram vítimas de acidentes de trânsito em Goiás no ano de 2013. Os dados são do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde. Especialistas acreditam que o despreparo, tanto do motorista, quanto do motociclista, é um fator determinante para o aumento de acidentes de trânsito.

Por pouco o estudante Alexandre Marcelino, de 24 anos, não faz parte dessa estatística. Ele não morreu, mas ficou paraplégico após sofrer um acidente de moto. “A moto dá uma sensação de liberdade extrema, então da mesma forma que a moto dá essa sensação de liberdade ela pode acabar com essa mesma liberdade que ela dá. Ela pode matar. Então é uma coisa que não pode brincar, tem que se usar com prudência”, alerta.

O estudante, que aos poucos tenta retomar a vida, relembra os primeiros pensamentos após receber a notícia de que tinha perdido os movimentos dos membros inferiores. “A primeira coisa que eu pensei foi, a minha namorada, se ela ia continuar comigo, minha vida, que estava em plena ascensão profissional, meus estudos, que tudo ia parar”, conta.

Além de perder a vida, esse tipo de lesão é um dos maiores temores dos cerca de 240 mil motociclistas que circulam diariamente pelas ruas de Goiânia. “O que as pessoas temem muito é a tetraplegia, que são as lesões na região cervical, que você perde movimentos de membro superior e inferior”, afirma o médico ortopedista Grimaldo Martins.

Para Alexandre Marcelino, o trauma só pode ser superado com muita motivação e otimismo. “Foi bem revoltante, mas hoje estou tentando superar, tentando voltar à minha vida normal, porque a vida continua apesar de tudo, e é bola pra frente, tentar seguir em frente”, diz.

Fonte: http://g1.globo.com/goias/noticia/2014/01/acidentes-de-transito-matam-mais-de-100-motociclistas-em-um-ano-em-go.html